apoioI

data

terça, 07 junho 2016 19:38
Atualidade

Questões em aberto indicam o caminho a seguir na investigação

São diversas as questões sem resposta na área dos tumores da cabeça e pescoço. Biomarcadores, assinaturas genéticas, sequenciação e outras questões ligadas à imunoterapia são alguns dos temas que a Dr.ª Ana Castro considera estarem ainda em aberto.

A presidente do Grupo de Estudos do Cancro da Cabeça e Pescoço (GECCP) afirma que a ASCO 2016, “mais do que responder a algumas perguntas, levantou tantas outras” que serão os próximos passos a seguir em termos de investigação. A especialista está confiante que brevemente estarão disponíveis novos dados que vão ajudar a esclarecer algumas destas dúvidas.

No caso dos tumores da cabeça e do pescoço, a especialista lembra que "neste momento, temos terapêuticas aprovadas em primeira linha", considerando que na segunda linha "parece que a imunoterapia será o melhor parceiro porque conseguiu um aumento de sobrevivência com ganhos de 20%", nos dados relativos ao primeiro ano. Facto que a oncologista do Centro Hospitalar do Porto vê como sinal de esperança, mas que também levanta dúvidas, sobretudo sobre o momento em que deve ser utilizada.

Recorde-se que os “highlights” da ASCO 2016 serão um dos pontos do programa do 6.º Simpósio do GECCP, agendado para o dia 24 de setembro, na Figueira da Foz.

Assista ao vídeo.

Vídeo

Store News Farma

Newsletter

Área Reservada

Os portugueses na ASCO 2016

Dr.ª Ana Castro

Dr. José Duro da Costa

Dr.ª Fátima Cardoso

Dr.ª Lourdes Barradas

Dr.ª Maria Teresa

Prof. Doutor Venceslau Hespanhol

Dr. Sérgio Barroso

Dr. Hélder Mansinho

Prof. Doutor António Araújo

Dr.ª Gabriela Sousa

Dr.ª Mónica Nave

Dr.ª Teresa Timoteo

Prof. Doutor José Passos Coelho